Composto Orgânico

Introdução

Com a crescente demanda da sociedade por alimentos, fica cada vez mais necessário investir em adubos, inseticidas, fungicidas e tecnologia. Com tanto investimento, realmente, a produção aumenta, mas junto a ela cresce também a produção de resíduos, de lixo não biodegradável e impactos ambientais.

Uma forma de minimizar esses impactos, produzir alimentos de qualidade e ao mesmo tempo gerar renda ao produtor é a compostagem. Essa técnica nada mais é que um processo biológico de transformação de resíduos orgânicos como palhas, esterco, restos de alimentos e folhas secas em substâncias húmicas, isto é, em matéria orgânica homogênea e estabilizada, de cor escura e rica em minerais. Sua aplicação melhora as características físicas, químicas e biológicas do solo, configurando-se numa alternativa simples e de baixo custo para ser utilizada em diversas culturas.

Quem utiliza?

A utilização dessa técnica por grandes, e principalmente por pequenos produtores, vem contribuindo para a preservação do solo e também como fonte de renda, já que o produto final vai substituir em quase 100% os insumos industrializados, que são prejudiciais ao solo e à saúde quando usados inadequadamente.

O composto orgânico também pode ser utilizado em minhocários, para a produção de minhocas para pesca e húmus. Essa é outra ótima utilidade do produto, pois o preço da minhoca e principalmente do húmus possuem alto valor comercial.

Compostagem na cidade

É normal pensar que isso tudo seria uma boa ideia a ser adotada na zona rural pelos produtores, mas também pode ser adotada em centros urbanos com sucesso. Através da coleta seletiva separa-se o lixo inorgânico do orgânico, e é exatamente esse material que será trabalhado.

Em um local limpo e longe da cidade, pelo menos 5 km, esse lixo é amontoado e molhado constantemente, nessas condições ele irá se decompor em altas temperaturas, que devem ser controladas para evitar a perda de nutrientes, originando por fim o composto orgânico. Esse material é rico em nutrientes, possui custo e mão de obra barata, não possui cheiro forte e desagradável e pode ser ensacado e vendido a preços baixo para os agricultores, evitando assim que eles utilizem produtos industrializados.

Como toda obra tem um custo se faz necessário ressaltar que para adotar um sistema de tal porte a cidade deve possuir coleta seletiva, mão de obra treinada para a fabricação do composto orgânico, água em abundância para molhá-lo periodicamente, caminhões para fazer a coleta do material, conscientização dos produtores através de palestras, criação de um ponto onde o material possa ser comercializado e também a compreensão da população para a adoção da coleta seletiva. Com a adoção de tais medidas o negócio tem tudo para progredir.

Montando o Composto Orgânico:

1º Passo:

Separar e espalhar a matéria orgânica (restos de capim seco, restos de hortaliças, restos de comida, ramos finos de árvores, folhas, etc.) em uma camada de 30 cm de altura por 1 a 1,5 metros de largura e o comprimento que desejar. Após essa camada ter sido feita, coloca-se outra camada de esterco bovino ou de aves, essa camada deve ter de 10 a 15 cm de altura. Depois de fazer as duas primeiras camadas o trabalho fica fácil, basta colocar outra camada de matéria orgânica, outra de esterco e assim por diante, até atingir uma altura de no mínimo 1 metro.

Também pode ser utilizada cama de galinha no lugar do esterco. É uma opção para quem tem criação de galinhas de corte.

2º Passo:

Depois de montar o composto orgânico devemos molhá-lo periodicamente para controlas a sua temperatura. A temperatura é medida através de uma barra de ferro, é um método bem rústico. A barra de ferro é inserida no meio do amontoado, uma ou duas vezes ao dia essa barra deve ser retirada e uma pessoa deve colocar a mão na parte que estava enterrada, caso consiga fica mais ou menos 5 segundo com a mão no ferro sem se queimar então a temperatura está boa. Caso a barra de ferro esteja muito quente faz-se necessário molhar o material até que abaixe a temperatura.

Existem casos em que compostos orgânicos pegaram fogo devido à alta temperatura, nesses casos o todo o trabalho é perdido.

3º Passo:

O composto deve ficar pronto entre 45 e 60 dias, durante esse período ele deve ser revirado a cada 15 dias, de forma a invertê-lo colocando a parte de cima pra baixo e a parte de baixo em cima, isso garante uma decomposição completa do material.

4º Passo:

Depois de pronto o composto pode ser utilizado na adubação de qualquer cultura.

Caso queira utilizar o composto para a criação de minhocas, ele deve ser cessado e colocado no minhocário.

– Veja também: Como Montar um Minhocário.

2 Comentários (+adicionar seu?)

  1. marcio schauble
    dez 28, 2011 @ 21:04:21

    eu tenho um sitio e em breve pretendo quriar codornas e reutilisar tudo des da cama das aves .
    estou procurando todo tipo de orientaçâo.

    Responder

    • inforagro
      jan 05, 2012 @ 22:49:58

      Boa tarde Marcio, uma boa alternativa para reutilização dos dejetos da criação é utilizar a cama das codornas para fazer compostagem.
      Este material pode ser viabilizado de diversas maneiras, sendo um adubo de excelente qualidade. Pode ainda ser destinado a um minhocário, onde será processado pelas minhocas e se tornará humus, material com grande valor comercial e nutricional.
      Se tiver dúvidas, entre em contato.
      t+

      Responder

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Postagens do Blog

agosto 2010
D S T Q Q S S
    set »
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
293031  

Mais Avaliados

%d blogueiros gostam disto: