As joaninhas predadoras, aliadas do produtor no combate às pragas

A agricultura sustentável se apóia em práticas agropecuárias que promovam a agrobiodiversidade e os processos biológicos naturais. Infere-se daí que o controle biológico é uma alternativa promissora ao uso de agrotóxicos para o controle de pragas em sistemas agrícolas sustentáveis, visto constituir-se num processo biológico natural de regulação do número de indivíduos da população da praga por ação dos agentes de mortalidade, os quais são também genericamente denominados de inimigos naturais das pragas, os quais agem de forma a reduzir as chances da população da praga, sobre a qual eles atuam, de se tornar numericamente tão alta a ponto de causar prejuízo econômico. Assim, o controle biológico almeja reduzir o nível populacional da praga, mantendo-a abaixo do nível de dano econômico.

Os inimigos naturais das pragas são, portanto, os grandes aliados dos produtores no controle das pragas em suas lavouras. Entre eles estão as joaninhas, as quais são insetos predadores da família Coccinellidae da ordem Coleoptera (que reúne os insetos vulgarmente conhecidos como besouros).

Como as borboletas, as joaninhas passam por diferentes fases até atingir a fase adulta. Assim, desenvolvem-se a partir do ovo, passando geralmente por cinco estádios de larva e atingem a fase de pupa, a qual termina quando emerge o adulto. As joaninhas alimentam-se da presa tanto na fase de larva (Figura 1) como na fase adulta (Figura 2), mastigando as presa e consumindo-as totalmente.

Entre as presas das joaninhas, estão os insetos ácaros fitófagos (que se alimentam de plantas), como os pulgões, as cochonilhas, as moscas brancas e os psilídeos, que danificam uma variedade de plantas cultivadas. As joaninhas também predam ovos e pequenas larvas de coleópteros e lepidópteros (mariposas), os quais reúnem várias espécies de insetos que causam prejuízos econômicos às plantas cultivadas. No caso de joaninhas que predam pulgões, o total dessa presa consumido por uma joaninha pode chegar a 1.000 pulgões, durante toda a sua vida.

Os adultos das joaninhas são notoriamente conhecidos por sua coloração, que geralmente é bastante variada entre as espécies. Os adultos de espécies de cor vermelha, amarela, laranja e brilhantes, sem ou com manchas geralmente pretas, alimentam-se de pulgões (são chamadas de afidófagas), enquanto que as espécies escuras, geralmente pretas brilhantes, alimentam-se de cochonilhas (são chamadas de coccidófagas), moscas brancas e ácaros.

Em geral, as joaninhas depositam seus ovos de forma agrupada e entre ou próximos às colônias de pulgões, facilitando assim o deslocamento de suas larvas que, após eclodirem dos ovos, saem em busca de presas. Uma fêmea de joaninha pode por entre 150 a 200 ovos a cada postura.

Espécies de joaninhas, como Cycloneda sanguinea, Colleomegilla maculata, Eriopsis connexa, Hippodamia convergens e Scymnus argentinus, são tidas como excelentes predadoras naturais de pulgões. A multiplicação de algumas espécies de joaninhas pode ser conseguida em condições de laboratório, usando presa “alternativas” (ovos da traça-da-farinha, por exemplo) no lugar das presas naturais e preferenciais (pulgões, por exemplo). Estudos conduzidos no Brasil mostram que as joaninhas predadoras de pulgões Eriopsis connexa, Colleomegilla maculata e Hippodamia convergens são capazes de serem criadas com ovos da traça-da-farinha (Anagasta kuehniella (Zeller). Como a criação das joaninhas requer cuidados especiais, não é fácil obter sua multiplicação sem contar com empresas ou laboratórios especializados. No mercado brasileiro, é o produtor pode adquirir exemplares de apenas uma espécie de joaninha, Crytolaemus montrouzieri, que foi importada do Chile para o controle de Planococcus citri, conhecida como cochonilha branca dos citros.

Todavia, o produtor pode conservar as joaninhas na sua propriedade e contar com a ajuda das mesmas no controle de pragas. Para isso, alguns requerimentos são necessários para permitir a sobrevivência das joaninhas. Quando a presa preferida está escassa no agroecossistema, ou na presença de uma presa de qualidade inferior, as joaninhas usam principalmente alimentos alternativos, tais como néctar floral ou extrafloral e pólen (Figura 3), para garantir sua sobrevivência. Assim, a ausência desses recursos alimentares alternativos limita a presença das joaninhas nos agroecossistemas. Portanto, a presença de plantas com flores que proporcionem néctar e/ou pólen para as joaninhas, dentro de sistemas de produção agrícola, é uma importante ferramenta para auxiliar na conservação e na multiplicação desses insetos predadores nos agroecossistemas. Além do pólen e/ou néctar, essas plantas podem fornecer outros alimentos alternativos (outras espécies de presas alternativas às presas principais ou preferenciais), locais para acasalamento e postura das joaninhas, e/ou locais de abrigo para larvas, pupas e adultos das joaninhas. Assim, com esses recursos vitais disponíveis, a emigração das joaninhas a partir dos sistemas agrícolas com flores pode ser minimizada. Outro aspecto importante é que como essas plantas podem proporcionar uma fonte concentrada de recurso, elas necessitam tomar somente uma pequena porção da área total destinada ao cultivo comercial para ser efetiva.

Vários estudos, em sua maioria conduzida nos Estados Unidos, Europa e Austrália, mostram que espécies vegetais das famílias Apiaceae (= Umbelliferae), Leguminosae e Compositae têm desempenhado esse importante papel ecológico. Todavia, no Brasil, apesar dos relatos informais, pouco tem sido cientificamente registrado a respeito do papel dessas plantas na conservação das joaninhas, uma linha de pesquisa que vem sendo perseguida atualmente pela Embrapa Agrobiologia (Seropédica/RJ). Dentre os resultados dessa pesquisa, o coentro (Coriandrum sativum L.), o endro (Anethum graveolens L.) e a erva-doce (Foeniculum vulgare Mill.) são três espécies da família Apiaceae que têm se mostrado promissoras na conservação das joaninhas nos agroecossistemas diversificados.

Em fim, a preservação da joaninha e de outras espécies de animais que podem atuar como predadores biológicos de pragas, além de ser economicamente viável, ainda contribui para a produção de alimentos livres de defensivos químicos. A falta de informação e acompanhamento técnico ainda são barreiras que impedem a disseminação de práticas como esta, mas aos poucos a tecnologia está chegando ao conhecimento dos produtores e certamente, em um futuro próximo, poderemos ver, acompanhar e usufruir destes meios.

Fonte: Embrapa

2 Comentários (+adicionar seu?)

  1. francisco joaquim azevedo messias
    maio 01, 2015 @ 09:27:18

    muito bom toda a informação deste género

    Responder

  2. zemaria
    out 25, 2015 @ 11:44:15

    Gostei da matéria, aprendi mais uma.

    Responder

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Postagens do Blog

fevereiro 2011
D S T Q Q S S
« jan   mar »
 12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
2728  

Mais Avaliados

%d blogueiros gostam disto: